26 de outubro de 2008

Eu quando sismo com um assunto...

Ainda na sequência do último post (leiam-no primeiro para perceberem), transcrevo o post do blog hirudroid.blogspot.com, com uma versão mais factual do tema:

Cabeça provavelmente de Diogo Alves (1810-1841), célebre criminoso, também conhecido pela alcunha de “O Pancada”. Chefe de uma quadrilha de malfeitores, responsável por vários roubos e assassinatos, tomou por esconderijo o Aqueduto das Águas Livres, cenário de muitos dos seus actos de violência, semeando o terror entre os habitantes de Lisboa.
Preso com todo o bando em 1839, foi condenado à morte e enforcado no cais do Tojo no dia 19 de Fevereiro de 1841.
Graças aos esforços de Lourenço da Luz (1800-1882), fundador do Gabinete de Frenologia da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, o cadáver de Diogo Alves foi decapitado, ficando a cabeça do criminoso depositada naquela instituição. Ali viria a ser examinada à luz das teorias defendidas pelo célebre fisiologista alemão Franz Joseph Gall (1758-1828), fundador da Frenologia (do grego phren, phrenos = espirito; logos = tratado), doutrina que pretendia estudar as faculdades intelectivas, afectivas e instintivas dos indivíduos a partir da configuração do crânio.

O tema pode ser um tanto mórbido, mas a verdade é que EU ADORO HISTÓRIAS MÓRBIDAS REAIS (lol)

4 comentários:

Isandes disse...

Éh pá, parece o falecido Super homem, aquele k ficou tetraplégico! Mas versão ruiva.

Olha como as aparÊncias enganam, não tem nada ar de homicida. Se fosse de agora, diria k tem pinta de informático. Prof de História, quando muito...

Jorge Rita disse...

A mim parece-me o vocalista dos Simple REd...
Eu sou como tu: tenho fascinio por coisas em formol. (o meu avõ guardava uma cobra em aguardente mas n tem aquele odor a formol e por isso n tem tanta piada)

flá disse...

Jorge, não é tanto o formol que me encanta... lol

Sou pessoa para, de vez em quando, ir a um cemitério passear (sim, passear!) só pra ver qual é o morto mais velho q está lá! Ou ver aquele que morreu mais cedo e cogitar as razões: "ah, este morreu na guerra", "este foi de acidente, de certeza" ou "ei que velhote! este passou os 100 anos!". Divirto-me com isso, mas esforço-me por n transparecê-lo porque os vivos levam a mal... E escusado será dizer que os jazigos de família (aqueles que têm o caixão à mostra) são os meus preferidos! :D Sou mesmo uma pessoa mórbida LOL

Embora tenha um cagofe por certos assuntos mais sobrenaturais... sou céptica mas n me meto com eles...

É a cena da morte que me encanta, os podres da mente humana, serial killers, etc..

flá disse...

isandes, eu arriscaria q ele tinha cara de seminarista, ou padre! :D (pãozinho de leite..)