4 de outubro de 2008

Mourinho vs Quique Flores









Mourinho corre o risco de acabar com o seu próprio mito. A fórmula do génio com mau génio tem os dias contados caso o mau génio se sobreponha ao génio (que é o que vai acontecer-lhe se não deixar de se meter gratuitamente com os italianos e não começar a ganhar categoricamente os jogos). O "Mou", como a imprensa italiano o trata, está a tornar-se num bronco rabugento, que se refugia na arrogância quando as coisas não lhe correm de feição. Este tipo de arrogância não é perdoável. Aquele Mourinho ganhador, triunfal, de saídas brilhantes que se tornam clichés, está a dar lugar à escassez de classe perante as circunstâncias, a imprensa, os colegas de profissão e mesmo adeptos. Espero que nada disto lhe aconteça e não passe de uma fase que saberá reverter.

Talvez não fosse má ideia inspirar-se naquele a que chamam já de "novo Mourinho": Quique Flores. O Benfica até pode passar mais uma época sem nada ganhar (o que não acredito), mas de uma coisa pode orgulhar-se: de ter o treinador com mais classe do futebol europeu, quiçá mundial. Exagero? Será que só eu tenho olhos na cara. Evidentemente não me restrinjo ao seu aspecto impecável, os fatinhos feitos por medida, a escolha perfeita das gravatas, a barba sempre feita, o cabelo impecavelmente penteado. Refiro-me acima de tudo à postura: o discurso coerente, educado, esclarecido, respeitoso, sem frases feitas, nem deslumbramentos, nem promessas que não podem ser cumpridas (até agora tem cumprido tudo o que prometeu). Refiro-me à tranquilidade que ele tem e dá à equipa e que outros apenas a apregoam tornando-se chavão de chacota nacional.

Dizer que Quique Flores é o novo Mourinho parece-me, de momento, desprestigiante para ele (não, não me esqueço da tendência fácil para a vitória que o português tem). Está há pouco tempo em Portugal, mas há suficiente para ter mostrado que Flores é sinónimo de um estilo à parte, talvez representativo de uma nova geração de treinadores pontificada por Mourinho (por causa dos fatos e do bom aspecto geral - embora Mourinho ande muitas vezes com o look "barba de 3 dias"). Mas o tuga teria muito a aprender, de momento, com o espanhol, especialmente na parte do "falar menos e fazer mais", que era o que ele precisava fazer agora, sob pena de se desvanecer o seu efeito mágico de "Special One"... É só o meu ponto de vista!...

4 comentários:

Jorge Rita disse...

Eu não concordo muito contigo. Acho que ele não está nada identificado como futebol português; acho que não tem veia de campeão; e tenho pra mim que ainda não percebeu bem a dimensão da exigencia dos adeptos de um clube como o Benfica.
Acho-o muito betinho pa treinador da bola...

flá disse...

Jorge, não interpreto assim a postura dele. A minha visão é mais ampla, começa no Rui Costa - penso que a entrada dele para
o dirigismo (tal como a do vitor baia - e já escrevi sobre isso aqui antes) vem trazer uma maneira de estar no futebol português distinta, com classe, sem o tipico discurso de chico-esperto. O segundo sinal dessa mudança é a contratação do Quique Flores, que possui a mesma classe, a mesma sensatex de discurso. Sinceramente já não posso com estilo saloio do futebol português, q tem mais treta que acção; pessoas como eles ajudam a alterar isso, a fazer-nos evoluir. Espero sinceramente que a esta mudança de saber-estar se aliem os resultados desportivos, claro.

Anónimo disse...

Flá, Flá... tocate cá num ponto ;) como sabes bem a minha cor clubistica, sou obrigada a admitir que adoro o Quique - como treinador e como homem, vá lá ;)... e td começou nakela entrevista (um pouco estranha, como são todas) da Manela Moura Guedes ao novo treinador do Benfica.. fiquei surpreendida pela positiva: tem charme, postura, não tem medo de responder a perguntas parvas, é educado e preocupa-se em esclarecer bem as coisas... e muito mais! nada a ver com o arrogante do treinador do meu FCP - tou farta daquele discurso. e olho para o Quique como um exemplo a seguir por outros coitadinhos que por ai andam. se bem que desconfie q nem aos calcanhares lhe cheguem...
resumindo: admiro-o!

beijoca grd e até...
***mÁrcIA***

fláv... disse...

ah, eu sabia Márcia que não haveria de ser a clubite a impedir-nos de concordar em algumas coisas sobre bola. A minha observação sobre o Quique também não se prende com questões clubísticas. Construo as minhas opiniões a esse nível, sem problemas de consciência nem medo de trair o clube. é-me fácil ser idónea a esse nivel. se eu n gostasse dele tb o diria. por exemplo, não gosto da postura saloia do nosso presidente, mas como é uma pessoa doente, até lhe perdoo :D ok, ele até tem estado caladinho ultimamente, mas n gostei do bansé que lee fez à volta do porto por causa da presença ou não na liga dos campeões deste ano.

beijoquinha fofinha tb pra si :D